Posts tagged ‘Muybridge’

22/06/2012

Muybridge Neto: Foto.Experimentando


Foi aberta no último dia 22/06 a exposição Foto.Experimento, da qual participei juntamente com outros 7 jovens fotógrafos-artistas sob a coordenação da professora e fotógrafa Beth Barone.

Para esta exposição eu preparei uma versão única e exclusiva de um livro no qual ‘desconstruo’ os meus GIFs, a minha versão da Fotografia Animada. O livro é apenas parte do trabalho, que também tem um site que pode ser acessado através de um Código QR que está impresso no livro (e é este abaixo).

Foto.Experimento-QR

Read Me

Muybridge Neto: Foto.Experimentando

Nuvem de palavras: Foto.Experimentando

Este trabalho tem me feito repensar a maneira através da qual vejo o mundo, não mais me preocupando com o ‘instante decisivo’ do Cartier-Bresson para procurar o ‘instante contínuo’ que retrato animadamente através dos meus GIFs.

Ok, na verdade é tudo balela… eu não fiz nada disso… quem fez tudo isso foi meu colega Muybridge Neto. Enfim… visitem o site e também a página do Facebook do Animado Mundo do Muybridge Neto. E animem-se!

Anúncios
19/06/2012

Muybridge Still II


Muybridge Still II

18/04/2012

Muybridge standing still


Muybridge Standing Still | Internet | Jaime Scatena

23/12/2011

Muybrigde.GIF


Muybridge.GIF | São Paulo/Atibaia | Jaime Scatena

Muybridge.GIF | São Paulo/Atibaia | Jaime Scatena

via Muybrigde e o movimento «.

26/01/2010

História da Fotografia – Arte?


A recém inventada fotografia – através do “cruzamento” das descobertas de Daguerre e Talbot (veja em Historia-da-fotografia-1839) – veio bem ao encontro da procura crescente por parte da classe média de imagens de todos os tipos.

"Artist in Photography", 103 Newgate Street, London (1880)

"Artist in Photography", 103 Newgate Street, London (1880)

Em 1854 (apenas quinze anos após aos anúncios de 1839) os cartões de visita com imagens já eram muito populares e qualquer pessoa podia tirar seu retrato de forma simples nos inúmeros estúdios fotográficos que proliferavam nas grandes cidades.

Pode-se dizer que a disseminação da técnica fotográfica foi o equivalente, para a imagem, ao papel que a imprensa teve na escrita, promovendo a transição para a cultura atual, a cultura da Onipresença da Imagem.

Em 1888 George Eastman aparfeiçoou a primeira máquina Kodak, desenhada para  uso do seu recentemente patenteado filme de rolo, dando início a fase de industrialização do processo fotográfico.

Entretando, neste momento, há a dificuldade de estabelecer a fotografia como arte. A foto é nada mais que um processo mecânico – máquina fotográfica – que aciona um processo químico no filme, sem a verdadeira “Mão do Artista”, pelo menos como este era concebido até então. Como comparar um “clique” que gera uma imagem com um pintor ou escultor? Baudelaire foi um dos primeiros críticos à “Arte Fotográfica”, chegando a afirmar que a foto acabaria com a pintura, quando o que se viu foi exatamente o oposto: livre da função de retratista, a pintura foi liberada para a exploração artística.

Don Quixote in His Study, W.L. Price (1857)

Don Quixote in His Study, W.L. Price (1857)

Inseridos no movimento Pictorialista desta época, alguns fotógrafos bem que tentaram estabelecer-se como artistas. Entretanto, a maioria de suas obras retomavam temas artisticamente e esteticamente antigos, ultrapassados, praticamente “descolados” dos movimentos artísticos vigentes até então, o que dava mais peso aos críticos que argumentavam contra a fotografia artística. William Lake Price é um exemplo de artista pictorialista que preparava cenários e realizava montagens fotográficas retratando eventos históricos. O público até que gostava de suas fotografias, mas críticos diziam que, no máximo, davam a impressão que a cena fotografada poderia estar em qualquer palco. Diferente da pintura, que recebeu louros por retratar momentos históricos, a fotografia, ao fazer o mesmo, só exaltava a falsidade por trás desta intenção.

Segundo Argan, só seria possível surgir uma Fotografia (artística) de alto nível estético quando os fotógrafos deixassem de se envergonhar por serem fotógrafos e não pintores e buscassem o valor estético na estrutura intrínseca da própria prática fotográfica.

Um paradigma interessante pode ter sido traçado exatamente nas experiências e práticas fotográficas sem verdadeiro intento artístico, já que os registros desta época – um tempo agitado pela Revolução Industrial e a intensa criação das mais diferentes máquinas – tem hoje um grande valor artístico.

Flying pelican, Marey (a. 1882)

Flying pelican, Marey (a. 1882)

Diferente de muitos outros, E. Muybridge e E.J. Marey propuseram uma ruptura conceitual ao tentar fotografar o movimento com suas fotografias com múltiplas câmeras, as de alta velocidade (um triunfo da engenharia, nos obturadores, e da química, nos filmes rápidos) e o uso da luz estroboscópica.

Sequence of a horse jumping, Muybridge (a. 1880)

Sequence of a horse jumping, Muybridge (a. 1880)

Segundo Janson, em “História Geral da Arte“, as fotografias de Muybridge e Marey refletem o novo ritmo de vida da idade da máquina, transmitindo o sentimento tipicamente moderno de dinâmica. Rebecca Solnit diz que Muybridge, ao dividir o segundo “fotograficamente”, praticou uma ação tão dramática como a divisão do átomo.

Estavam abertos os caminhos para a revolução artística da fotografia, principalmente pelas vanguardas modernistas, nos agitados anos 1920 (The Roaring Twenties).

Texto criado a partir de anotações da primeira aula  e bibliografia sugerida do curso “Arte Como Fotografia”, ministrado por Denise Gadelha, em 19/01/2010.

Imagens provenientes da Wikipedia e Internet.

%d blogueiros gostam disto: