Archive for janeiro, 2010

28/01/2010

Novas Fotos, 28 de janeiro


Desde o início desta semana estou publicando fotos que resgatei de meu desktop, fotos que eu não via há algum tempo. Mas são fotos que ainda me surpreendem e interessam. Espero que vocês gostem também. Tenho apelidado estas séries de “Oldies” (ou as velhinhas).

Para série de hoje escolhi uma foto de cada local, voltando à Minas Gerais em 2004 (Araxá e Tapira), passando por Sampa, África do Sul e Israel.

Oldies3-Peq

Fotos de 28 de janeiro

Anúncios
27/01/2010

Novas fotos – 26 e 27 de janeiro


Aqui estão as fotos publicadas entre ontem e hoje.

São fotos de 2009, mas de muito antes da minha viagem para Europa e meio que tinham ficadas esquecidas. África do Sul, Cape Town e Israel, Jerusalém.

Mosaico Jerusalem e Cape Town

Mosaico Jerusalem e Cape Town

26/01/2010

História da Fotografia – Arte?


A recém inventada fotografia – através do “cruzamento” das descobertas de Daguerre e Talbot (veja em Historia-da-fotografia-1839) – veio bem ao encontro da procura crescente por parte da classe média de imagens de todos os tipos.

"Artist in Photography", 103 Newgate Street, London (1880)

"Artist in Photography", 103 Newgate Street, London (1880)

Em 1854 (apenas quinze anos após aos anúncios de 1839) os cartões de visita com imagens já eram muito populares e qualquer pessoa podia tirar seu retrato de forma simples nos inúmeros estúdios fotográficos que proliferavam nas grandes cidades.

Pode-se dizer que a disseminação da técnica fotográfica foi o equivalente, para a imagem, ao papel que a imprensa teve na escrita, promovendo a transição para a cultura atual, a cultura da Onipresença da Imagem.

Em 1888 George Eastman aparfeiçoou a primeira máquina Kodak, desenhada para  uso do seu recentemente patenteado filme de rolo, dando início a fase de industrialização do processo fotográfico.

Entretando, neste momento, há a dificuldade de estabelecer a fotografia como arte. A foto é nada mais que um processo mecânico – máquina fotográfica – que aciona um processo químico no filme, sem a verdadeira “Mão do Artista”, pelo menos como este era concebido até então. Como comparar um “clique” que gera uma imagem com um pintor ou escultor? Baudelaire foi um dos primeiros críticos à “Arte Fotográfica”, chegando a afirmar que a foto acabaria com a pintura, quando o que se viu foi exatamente o oposto: livre da função de retratista, a pintura foi liberada para a exploração artística.

Don Quixote in His Study, W.L. Price (1857)

Don Quixote in His Study, W.L. Price (1857)

Inseridos no movimento Pictorialista desta época, alguns fotógrafos bem que tentaram estabelecer-se como artistas. Entretanto, a maioria de suas obras retomavam temas artisticamente e esteticamente antigos, ultrapassados, praticamente “descolados” dos movimentos artísticos vigentes até então, o que dava mais peso aos críticos que argumentavam contra a fotografia artística. William Lake Price é um exemplo de artista pictorialista que preparava cenários e realizava montagens fotográficas retratando eventos históricos. O público até que gostava de suas fotografias, mas críticos diziam que, no máximo, davam a impressão que a cena fotografada poderia estar em qualquer palco. Diferente da pintura, que recebeu louros por retratar momentos históricos, a fotografia, ao fazer o mesmo, só exaltava a falsidade por trás desta intenção.

Segundo Argan, só seria possível surgir uma Fotografia (artística) de alto nível estético quando os fotógrafos deixassem de se envergonhar por serem fotógrafos e não pintores e buscassem o valor estético na estrutura intrínseca da própria prática fotográfica.

Um paradigma interessante pode ter sido traçado exatamente nas experiências e práticas fotográficas sem verdadeiro intento artístico, já que os registros desta época – um tempo agitado pela Revolução Industrial e a intensa criação das mais diferentes máquinas – tem hoje um grande valor artístico.

Flying pelican, Marey (a. 1882)

Flying pelican, Marey (a. 1882)

Diferente de muitos outros, E. Muybridge e E.J. Marey propuseram uma ruptura conceitual ao tentar fotografar o movimento com suas fotografias com múltiplas câmeras, as de alta velocidade (um triunfo da engenharia, nos obturadores, e da química, nos filmes rápidos) e o uso da luz estroboscópica.

Sequence of a horse jumping, Muybridge (a. 1880)

Sequence of a horse jumping, Muybridge (a. 1880)

Segundo Janson, em “História Geral da Arte“, as fotografias de Muybridge e Marey refletem o novo ritmo de vida da idade da máquina, transmitindo o sentimento tipicamente moderno de dinâmica. Rebecca Solnit diz que Muybridge, ao dividir o segundo “fotograficamente”, praticou uma ação tão dramática como a divisão do átomo.

Estavam abertos os caminhos para a revolução artística da fotografia, principalmente pelas vanguardas modernistas, nos agitados anos 1920 (The Roaring Twenties).

Texto criado a partir de anotações da primeira aula  e bibliografia sugerida do curso “Arte Como Fotografia”, ministrado por Denise Gadelha, em 19/01/2010.

Imagens provenientes da Wikipedia e Internet.

24/01/2010

Nova página no ar: WallPapers


Oi pessoal!

Já tem novas imagens para fundo de tela, tanto para iPhone quanto para Desktops.

É só clicar nas imagens abaixo para ser redirecionado, ok?

Aproveitem!

Desktop:

DeskTop_WM-1

iPhone:

21/01/2010

Vejo vacas por todos os lados


Elas estarão por todos os lados dentro de alguns dias. Nas ruas e avenidas, nos shoppings e rodoviárias, em praças e museus da cidade e até em estações de metrô. As simpáticas vacas da Cow Parade 2010 se reuniram ontem (20/jan/2010) no MuBE no evento de abertura da segunda edição deste desfile de arte que volta a São Paulo após quatro anos.

CowParade SP2010 - 16

Vacas! Vacas! Vacas!

A CowParade surgiu como uma manifestação humorística em 1998, criação de um artista suíço e desde então já rodou mais de 50 cidades ao redor do planeta, inclusive no Brasil, que recebeu esta grande exposição de arte ao ar livre em São Paulo (2005, a primeira cidade da América do Sul), Curitiba e Belo Horizonte (2006) e Rio de Janeiro (2007).

É uma exposição muito democrática pois as peças de arte – cerca de 90 vacas de fibra de vidro customizadas por artistas brasileiros – são espalhadas pela cidade, muitas vezes ao ar livre, em pontos de grande circulação de pessoas, onde paulistanos e visitantes de todas as idades poderão apreciar, se divertir e até interagir com elas. Neste ano temas como sustentabilidade, vida urbana e figuras pop inspiraram os artistas que nomearam suas obras com nomes divertidos como Cowgestionamento (que aborda o calvário do transporte paulistano), Vaca da Garoa (em homenagem à São Paulo de antigamente), Cowleta Seletiva, MiCow Jackson e a Vaca Interativa (que mostra, em tempo real, mensagens enviadas por SMS ou através do Twitter – colocando a hashtag #vacatorpedo em seu tweet).

A exposição é parte das comemorações do aniversário de 456 anos de São Paulo e o projeto também tem seu lado solidário, já que, ao final as vacas serão leiloadas com os recursos sendo revertido para as entidades beneficentes Gol de Letra e a ONG Florecer.

Mais informações e o mapa com a localização de todas as vacas em www.cowparade.com.br/sp

20/01/2010

História da Fotografia – 1839


A data oficial da invenção da fotografia é considerada 1839, ainda que, tecnicamente ela já existisse há algum tempo. Só que neste ano considera-se que ela tenha, realmente, alterado a experiência humana.

Boulevard du Temple, Daguerre

Boulevard du Temple, Daguerre (1839)

Em 1839, na França, Louis-Jacques-Mandé Daguerre apresentou o protótipo do que seria a primeira máquina fotográfica que, em questão de meses, já tinha se espalhado pelo mundo, democratizando o ato de se retratar.

Antes era necessário comissionar uma pintura, uma obra de arte, algo que estava ao alcance de poucos, devido a seu alto custo. É só lembrar que que durante a Idade Média apenas a rica Igreja possuía bens suficientes para produzir suas obras de finalidades catecistas – a religião era o único motivo artístico existente e isso durou séculos.

Muito antes, no Renascimento, iniciou-se a retomada da figura humana como motivo artístico, o Humanismo colocando o homem no centro das atenções. Pode-se também dizer que o surgimento da ciência e seus cientistas (e alquimistas) também começa a pavimentar a estrada que possibilitou a invenção da fotografia alguns séculos mais tarde. Ainda assim, numa Itália dominada pela forte mão da Igreja Católica, o tema central continuou sendo religioso por muito tempo, ainda que a representação do Homem tenha se tornado muito mais fiel e real, além dos primórdios do uso da Câmera Escura para o retrato fiel de paisagens.

The Arnolfini Portrait, Van Eyck, 1434

Casal Arnolfini, Van Eyck (1434)

Já no Renascimento Setentrional – países baixos – o protestantismo e a existência de ricos mercantilistas viabiliza o comissionamento de retratos pessoais destes poderosos homens e suas famílias.
Grandes representantes deste movimento são Rembrandt e Van Eyck, o segundo extrapolando qualquer barreira ao pintar o quadro “O Casal Arnolfini“, de 1434,  no qual insere, ao fundo da sala, um espelho que reflete toda a cena por trás, incluindo o próprio artista na obra, lembrando ao observador que tudo aquilo que está representado não passa de um simulacro da realidade.

The Maids of Honour, Velazquez (1656)

Las Meninas, Velazquez (1656)

Com conceitos semelhantes, a pintura espanhola da mesma época também é marcada por grande naturalismo, naturezas mortas e paisagens. Velazquez pode ser considerado um dos maiores representantes do Renascimento Setentrional na Espanha e seu quadro “As Meninas“, de 1656 novamente insere o artista na obra – neste ele se pinta no momento em que está realizando o retrato dos reis, estes colocados no lugar do observador.

No século XIX surge também o conceito de História, esta com H maiúsculo e os artistas da época passam a afirmar que “o presente é História”. Com isso aparece a necessidade de registro histórico, juntamente com a noção de Heroísmo, que veio do movimento artístico vigente, o Romantismo.

Voltando a 1839, os retratos das primeiras “máquinas fotográficas” dependiam de longa exposição – chegando a 12 minutos! – mas a evolução a partir daí foi muito rápida. No mesmo ano William H. F. Talbot anuncia seus experimentos do novo processo fotográfico positivo-negativo, com impressão em papel, constituindo, junto com a metodologia de Daguerre os princípios básicos da fotografia que ainda usamos hoje.

Texto criado a partir de anotações da primeira aula  e bibliografia sugerida do curso “Arte Como Fotografia”, ministrado por Denise Gadelha, em 19/01/2010.

Imagens provenientes da Wikipedia.

19/01/2010

Olhar Urbano, no MuBE


Abriu ontem (18/jan/2010), no MuBE – Museu Brasileiro de Escultura (www.mube.art.br) a exposição “Olhar Ubano”, com fotografias de edifícios residenciais e comerciais de diversas cidades do país.

Olhar Urbano no MuBE de São Paulo

A exposição conta com fotos dos profissionais Bob Wolfenson, Cássio Vasconcellos, Fabio Correa, Marcos Prado, Renata Castello Branco e Ucha Aratangy, que apresentam imagens de empreendimentos imobiliários da cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Goiania.

O texto de abertura da exposição afirma que “em meio à pulsão das cidades os fotogáfos buscam a beleza e o diferencial no espaço e no tempo, seja a partir de um ângulo ou de um momento ideal. É uma incessante busca por uma visão que vai além dela mesma e da própria realidade. A fotografia não é assim um mero registro documental, que rouba um pedaço e atesta um acontecimento, mas uma imagem reveladora de sentidos e relações”.

Aqui tem mais sobre os fotógrafos e também algumas fotos da exposição:

http://brookfieldincorporacoes.blogspot.com/2010/01/os-fotografos-do-olhar-urbano.html

11/01/2010

BerMuDa – Berlin Music Days


Qualquer um que vá à capital alemã para a segunda edição do “Berlin Music Days” pode esperar um espetáculo de quatro dias de música. Os visitantes terão a chance de dançar e curtir muita música eletrônica nos top clubes de Berlin, incluindo o gigante Berghain, WMF, Club Maria e Watergate.

Com este evento a capital mundial da festa se firma no calendário anual dos mais reconhecidos festivais musicais.

O festival teve sua primeira edição entre 16 e 19 de setembro de 2009.

Get Physical night @ Watergate

Get Physical night @ Watergate

A programação de 2010 ainda não está confirmada.

Mais informações em www.berlinmusicdays.com

%d blogueiros gostam disto: