Posts tagged ‘Textos’

15/07/2011

Contardo Calligaris me dá umas dicas…


O colunista da folha Contardo Calligaris escreveu na Folha de São Paulo de 14/07 um texto que caiu como uma luva para meu momento de vida.

Não que seja surpresa pra ninguém, mas vale repetir: mudar o rumo da vida não é fácil. Tá isso é óbvio, mas meus amigos mais próximos ás vezes esquecem desta simples afirmação, quando me parabenizam pala mudança de rumo que fiz. Talvez seja exatamente por isso, por que acham que já a fiz.

Não… ainda não. Sim, larguei uma carreira de sucesso na Engenharia Civil pelo sonho de ser fotógrafo. Mas o processo de mudança ainda não terminou, é difícil, desafiador e com altos graus de ansiedade envolvidos!

Por outro lado, estou na busca de um desejo pessoal, com surpresas muito boas, descobertas pessoais fascinantes e uma gratificação ao produzir arte que é algo indescritível. Isso por que estou só começando. E, aviso: por mais difícil que seja, eu não vou desistir!

Leia o texto abaixo, que vale muito a pena.

E: não desista dos seus desejos. Ou melhor, não desista dos sonhos… eles são a razão de existirmos.

Cidade Extraída de um Sonho, Ygor Raduy

Cidade Extraída de um Sonho, Ygor Raduy

(Copiei o texto da Folha. Como meu pai é assinante, entendo que é como se tivesse copiado e passado pra amigos, sem quebrar qualquer direito de cópia etc. Tá aqui, aberto, com fonte, nome do autor e tudo!).

CONTARDO CALLIGARIS

Volta da Flip

Qualquer escolha significa desistir de desejos nossos aos quais preferimos outros, também nossos

NA COLUNA da semana passada, escrevi sobre a facilidade com a qual desistimos de nossos desejos e, com isso, às vezes, passamos décadas pensando em outras vidas, que poderiam ter sido as nossas se tivéssemos tido a ousadia de correr atrás do que queremos.

A coluna terminava com uma exortação à coragem de agir e com uma explicação possível: desistimos para evitar a dor de fracassar. Pensar que nem tentamos conseguir o que tanto desejávamos seria menos doloroso do que constatar que tentamos e não conseguimos. A desistência seria mais suportável do que o eventual malogro.

Numerosos leitores me escreveram, evocando (e lamentando) alguma desistência passada. O que não é surpreendente: somos quase todos assombrados pela sensação ou pela lembrança de ter desistido (na escolha de uma profissão, de um amor ou de um casal).

A razão é aparentemente simples. Faz dois séculos que nossa origem não determina nosso destino. Não seremos marceneiros só porque esse foi o ofício de nosso pai e avô. Não nos casaremos por tradição nem segundo a escolha das famílias. Escolheremos sempre por gosto ou por amor. Ou seja, temos a incrível pretensão de viver segundo nosso desejo.

E aqui a coisa se complica, porque, neste mundo sem castas fechadas e com poucas fronteiras, as possibilidades são muitas e, talvez por isso mesmo, os desejos que nos animam são variados e, frequentemente, estão em conflito entre si.

Ou seja, escolhemos entre caminhos diferentes, oferecidos pelas circunstâncias da vida, e também entre desejos que são todos nossos. Qualquer escolha implica perdas (dos caminhos que deixamos de percorrer) e desistências (de desejos nossos aos quais preferimos outros, também nossos).

Um leitor, Augusto Bezerril, pergunta se desistir de um sonho não é apenas o efeito de um conflito. Ele tem razão: em muitos casos, desistimos de um sonho para nos dedicar a outro, esperando resolver assim um conflito interno.

Outra leitora, Ana Chan, pergunta se “desistir dos desejos significa viver em frustração”. Talvez haja algo disso na nossa insatisfação: a variedade de nossos desejos torna a satisfação difícil, se não impossível.

Mas o fato de ter que escolher entre desejos alimenta outra forma de insatisfação: não tanto uma frustração quanto uma espécie de nostalgia do que não foi -um afeto moderno, como é moderna a pluralidade de nossos sonhos.

Alguns dizem que é por isso que a ficção se torna tão importante na modernidade, para que possamos imaginar (e viver um pouco) as vidas das quais desistimos, os caminhos pelos quais não enveredamos.

Agora, a escolha entre desejos diferentes não é a desistência mais custosa: há indivíduos que não desistem de tal ou tal desejo, eles desistem de desejar. Aqui o afeto dominante não é mais a nostalgia, mas uma culpa da qual a gente parece nunca se curar: a culpa de ter traído a nós mesmos, de ter desprezado nosso sonho mais querido. Essa sensação é especialmente forte quando alguém considera que silenciou seu sonho de infância.

Mais uma leitora, Janaina Nascimento, pergunta: “Você nunca desprezou seu próprio desejo?” (e acrescenta: “Acho que você não vai responder”).

Pois bem, desisti de vários desejos a cada encruzilhada, e, às vezes, com a impressão de estar traindo meu maior sonho. Por exemplo -pensava eu, voltando da Flip-, quando sou levado a falar de como me tornei romancista, acabo contando que escrever histórias era tudo o que queria desde os nove anos de idade, mas desisti aos 20, para me conformar à expectativa familiar de que eu fosse para a faculdade. Essa história é verídica e parece ser mesmo uma história de renúncia ou de desistência.

Mas será que é isso mesmo? Será que a gente desiste e renuncia? É possível. Mas a renúncia e a desistência são, antes de mais nada, jeitos melodramáticos de contar nossa história de modo a mantermos a ilusão confortável de que temos uma essência e somos definidos por desejos fundamentais -que (obviamente) não deveríamos trair.

De fato, a vida comporta poucas traições radicais de nós mesmos e de nossos desejos, e muitas soluções negociadas, espúrias, pelas quais a gente busca conciliar desejos diferentes com acasos, oportunidades e outros acidentes, reinventando-se a cada dia.

ccalligari@uol.com.br

@ccalligaris

via Folha de S.Paulo – Contardo Calligaris: Volta da Flip – 14/07/2011.

Anúncios
20/01/2010

História da Fotografia – 1839


A data oficial da invenção da fotografia é considerada 1839, ainda que, tecnicamente ela já existisse há algum tempo. Só que neste ano considera-se que ela tenha, realmente, alterado a experiência humana.

Boulevard du Temple, Daguerre

Boulevard du Temple, Daguerre (1839)

Em 1839, na França, Louis-Jacques-Mandé Daguerre apresentou o protótipo do que seria a primeira máquina fotográfica que, em questão de meses, já tinha se espalhado pelo mundo, democratizando o ato de se retratar.

Antes era necessário comissionar uma pintura, uma obra de arte, algo que estava ao alcance de poucos, devido a seu alto custo. É só lembrar que que durante a Idade Média apenas a rica Igreja possuía bens suficientes para produzir suas obras de finalidades catecistas – a religião era o único motivo artístico existente e isso durou séculos.

Muito antes, no Renascimento, iniciou-se a retomada da figura humana como motivo artístico, o Humanismo colocando o homem no centro das atenções. Pode-se também dizer que o surgimento da ciência e seus cientistas (e alquimistas) também começa a pavimentar a estrada que possibilitou a invenção da fotografia alguns séculos mais tarde. Ainda assim, numa Itália dominada pela forte mão da Igreja Católica, o tema central continuou sendo religioso por muito tempo, ainda que a representação do Homem tenha se tornado muito mais fiel e real, além dos primórdios do uso da Câmera Escura para o retrato fiel de paisagens.

The Arnolfini Portrait, Van Eyck, 1434

Casal Arnolfini, Van Eyck (1434)

Já no Renascimento Setentrional – países baixos – o protestantismo e a existência de ricos mercantilistas viabiliza o comissionamento de retratos pessoais destes poderosos homens e suas famílias.
Grandes representantes deste movimento são Rembrandt e Van Eyck, o segundo extrapolando qualquer barreira ao pintar o quadro “O Casal Arnolfini“, de 1434,  no qual insere, ao fundo da sala, um espelho que reflete toda a cena por trás, incluindo o próprio artista na obra, lembrando ao observador que tudo aquilo que está representado não passa de um simulacro da realidade.

The Maids of Honour, Velazquez (1656)

Las Meninas, Velazquez (1656)

Com conceitos semelhantes, a pintura espanhola da mesma época também é marcada por grande naturalismo, naturezas mortas e paisagens. Velazquez pode ser considerado um dos maiores representantes do Renascimento Setentrional na Espanha e seu quadro “As Meninas“, de 1656 novamente insere o artista na obra – neste ele se pinta no momento em que está realizando o retrato dos reis, estes colocados no lugar do observador.

No século XIX surge também o conceito de História, esta com H maiúsculo e os artistas da época passam a afirmar que “o presente é História”. Com isso aparece a necessidade de registro histórico, juntamente com a noção de Heroísmo, que veio do movimento artístico vigente, o Romantismo.

Voltando a 1839, os retratos das primeiras “máquinas fotográficas” dependiam de longa exposição – chegando a 12 minutos! – mas a evolução a partir daí foi muito rápida. No mesmo ano William H. F. Talbot anuncia seus experimentos do novo processo fotográfico positivo-negativo, com impressão em papel, constituindo, junto com a metodologia de Daguerre os princípios básicos da fotografia que ainda usamos hoje.

Texto criado a partir de anotações da primeira aula  e bibliografia sugerida do curso “Arte Como Fotografia”, ministrado por Denise Gadelha, em 19/01/2010.

Imagens provenientes da Wikipedia.

10/09/2004

Nossa vida Interrompida


Amo você todo

Mas me deixam amar em partes

Talvez para que não gaste

Talvez para que não seja só felicidade

Sinto saudades suas quando ouço a chuva e o vento no vidro do apartamento
Sinto saudades suas quando faz sol
Sinto quando suo
Tremo
E me pego pensando em nós dois
E você aí, de mim separado
Eu me pego rindo para você
E eu aqui, distante, tudo menos calado
Amo todas as suas partes
Mas me deixa juntá-las ocasionalmente
Talvez para que aprecie melhor
Talvez para que não seja apenas vício ou comodidade
Sinto falta de você quando abraço o vazio, na cama, ao lado
Sinto falta de você quando acordado
Sinto quando sonho
Grito
Eu me pego fazendo planos para nós dois
E você aí, a léguas, para mim proibido
Eu me pego falando coisas para você
E eu aqui, sem tréguas, fechar os olhos para ver o seu rosto
Amo você
Se amo…
Não deixam eu ver você
Insano
Amo você
Eu amo…
Não quero ficar longe de você
Reclamo
Amo você
Amo, amo, amo…
Não vejo você
Estranho
Amo você
Você que eu amo
Não vou viver distante de você
Encontro
Amo você aqui ou
ou
Por perto ou sem horizonte
Amo você vendo você ou lembrando do seu carinho em meus lábios
Em cima ou embaixo
Por telefone, correio eletrônico ou telepático
Amo você por inteiro e em partes
Com a precisão de um perfumista ou um lunático
Com a paciência de quem espera por alguém que vai chegar
Mesmo sabendo que não vai durar muito a estada
Mas com a certeza de que volta em seguida
Para partir outra vez
Até que chegue esse dia, que não ouso pronunciar,
Que me causa lágrimas imaginar,
O dia da chegada definitiva,
Em que não precisarei esticar o braço, na cama, para abraçar o lado
Em que não precisarei saber
Ouvir
Tocar
Ver
Pois tudo isso é sentir
E sentir é amar
Amo você, meu amor
É o que tenho para lhe dar
Amo você, meu amor
É o que sinto e o que nos fará chegar

Tags:
%d blogueiros gostam disto: