Posts tagged ‘República Tcheca’

08/07/2010

Praga – A encantadora Cidade Velha e suas passagens e galerias


Vale a pena começar o passeio de manha entrando na Cidade Velha pela Rua Karlova, ao lado da ponte de mesmo nome (Karluv Most). A vista da ponte, em uma limpa manhã de verão, com o Castelo de Praga ao fundo é de fazer o riso correr solto. Cuidado para não ficar maravilhado e pedir um café para aproveitar a vista no pequeno restaurante ao lado da ponte, pois seu double espresso sairá por Kc 120, algo como R$ 12 (como referência, o Starbucks da praça central, a poucos quarteirões, cobra Kc 55, muito perto do preço médio da cidade). Mais uma vez paga-se pelo algo a mais (a vista), mas um café pode esperar alguns metros e a vista continuará sendo maravilhosa.

Ponte Carlos (Karluv most) e com o Castelo de Praga ao fundo

Ponte Carlos (Karluv most) e com o Castelo de Praga ao fundo

Lição 1 de Praga: explore as galerias e passagens. Dá a impressão que é a entrada de um prédio comum, mas revelam lojas, restaurantes, jardins, igrejas e pontos turísticos no seu interior! Nem todas estão nos principais mapas… vale a pena dar uma de curioso.

Vista de Praga da Torre Astronomica do Klementinum – Cidade Velha (Stare Mesto)

Vista de Praga da Torre Astronomica do Klementinum – Cidade Velha (Stare Mesto)

Sabendo desta lição, entre na passagem que existe na Karlova e encontre o Klementinum, um grande complexo construído pelos jesuítas. A visita custa Kc 220 e dura aproximadamente 50 minutos e você conhecerá três lindos lugares: a Capela dos Espelhos, dedicada à Virgem Maria e com as passagens da oração (Ave Maria, cheia de graça …) retratadas no seu teto, além de um órgão que foi tocado por Mozart em uma de suas visitas a Praga; a biblioteca, com livros seculares impressos pelos jesuítas e globos também seculares, usados pelos astrônomos que trabalhavam na Torre Astronômica do complexo, que é o terceiro ponto e auge da visita. Do alto dela se tem uma vista 360 graus da cidade, com a possibilidade de fotos simplesmente fantásticas (em uma limpa manhã de verão). Por falar em fotos, o computador do meu Best Western é um tanto lento e ainda não consegui enviar sequer uma. Mas estou tentando e na primeira lan house disponível, enviarei.
Aproveite mesmo as limpas manhas de verão, porque o tempo costuma fechar durante a tarde, cai uma refrescante chuva e o tempo melhora de novo, permitindo um final de tarde – e começo de noite – muito agradável. Agora no verão o sol se põe perto das 21h.

Biblioteca barroca do Klementinum

Biblioteca barroca do Klementinum

Lição 2 de Praga: esta é a cidade dos concertos de música clássica. Praticamente toda igreja, capela, auditório e até sinagoga e museus têm uma intensa programação de concertos durante o verão, com repertório variando de Vivaldi a Mozart e Bach, mas também Gershwin. Geralmente começam às 19h e a compra de bilhetes no dia anterior ou até logo cedo na manhã da apresentação oferece descontos ou “upgrades”. Programe-se e aproveite!

Aliás, lembrando da Lição 1, a entrada da enorme Igreja de Nossa Senhora sobre o Tyn só é encontrada se você explorar galerias. E vale a visita – apesar de ser proibido tirar fotos. O altar e diversas imagens são dourados, o que é ressaltado pelo sol que entra pelas janelas lá no alto da construção. Para mim a visita foi mais interessante, pois ver a representação do Batismo de Cristo por São João, tendo voltado há poucas semanas de Israel, onde visitei exatamente este rio e fiz meu “batismo” em suas águas, é simplesmente mágico. O mesmo vale para as representações da Via Crucis, pois também percorri este caminho e toquei na pedra da Unção (estação 14), onde Cristo foi colocado e preparado para ser enterrado. Atenção, pois a igreja só abre de terça a sábado e fecha “ainda de dia”, as 18h.

Vista da Torre Astronômica: Castelo de Praga

Vista da Torre Astronômica: Castelo de Praga

Jaime Scatena

Engenheiro, fotógrafo, especial para o Blog PANROTAS Em Viagem

Originalmente publicado no Blog Panrotas em Viagem, em 05/07/2009:

http://blog.panrotas.com.br/panrotasemviagem/index.php/2009/07/05/praga-a-encantadora-cidade-velha-e-suas-passagens-e-galerias/

07/07/2010

Por que a a gente viaja? Por que tão longe? Aonde quero chegar?


Essa frase é do Zeca Camargo no seu mais recente livro – Isso aqui é seu – e, ok, Praga nem é tão longe assim, mas o Aonde quero Chegar?, essa é uma questão quase existencial, que nenhuma viagem sozinho vai responder, além da nossa Grande Viagem como seres humanos.
Sexta-feira, 3 de julho. São 8h10 em Lisboa e estou aguardando meu voo para Praga, com U2 no meu iPod “One Life, but we are not the same…”.
Lição 1: um upgrade é sempre bem vindo, especialmente em viagens transatlânticas como essa, GRU-LIS.
Recordação 1: A classe executiva da Tap é realmente fantástica. Excelente culinária e vinhos. Atendimento de primeira. E que conforto!
Lição 2: quanto mais carimbos no passaporte, mais fácil passar pela Imigração. E não precisei do dossiê que tinha preparado – nem tive que explicar que estou num momento entre empregos…
Lição 3: essa ainda de São Paulo – mesmo os mais descolados em viagens comentem erros. Sorte que o meu não deu problemas… Mas fiquei um tempão na fila de embarque do T1 de GRU… só que meu voo saía do T2. A lição é: por mais escolado, atenção é primordial.
Constatação 1: Brasileiros estão por toda a parte. Nesta espera descobri um, sentado atrás de mim, tentando explicar para um grupo de portugueses o que significa “arre égua”. Acabei rindo e me entregando como outro brazuca.
Naus modernas, meu A320 se chama Florbela Española. O voo passou por toda a Espanha e, já sobre terras de França um fato inusitado: entre programas em stop motion sobre ovelhas e filmes da época do cinema mudo, uma propaganda do turismo do Brasil (Brasil, Sensacional!) na programação de bordo.
Chego em Praga direto para meu Best Western e fui comprar meu bilhete de trem da próxima escala, Berlim, na segunda-feira.
A GrandiStazioni de Praga, acessível diretamente pelo Metro C, Hlavni nadrazi (estou escrevendo com o ”nosso” alfabeto, porque as letras checas acabam saindo distorcidas… mas é um alfabeto bem esquisito!), abriu em 24 de junho uma nova área para venda de bilhetes, com funcionários habilitados para auxiliar no planejamento de qualquer viagem.

Praga-PANROTAS-EstaçãoTrem

Novo centro de venda de bilhetes de trem

Aqui em Praga se compra um bilhete “aberto” e também a reserva, em compras separadas – mas que se pode pagar junto, é claro. Não se preocupe em comprar antecipadamente pela internet, pois será com certeza mais caro do que comprar na estação. A não ser que você queira garantir um horário específico e queira já sair com o bilhete na mão – paga-se mais pela comodidade. Ponto de atenção: apesar de todas as vendas serem feitas no novo centro de passagens da estação principal, existem quatro estações em Praga. Pergunte ao atendente de onde sai seu trem para não ter surpresas na hora de embarcar.

Todos os bilhetes podem ser pagos em Coroas Checas (Kc), Euros (a Republica Checa ainda não esta na Eurozona, mas a moeda é aceita em quase todos os lugares) e cartões de credito e debito.
Amanha (sábado, 4) vou realmente fazer turismo e tentar descobrir um pouco mais de Praga, uma cidade que já foi mais importante que Londres e Paris e que hoje atrai milhares de turistas, principalmente no verão.

Praga-PANROTAS-EstaçãoTrem2

Estação Central de Praga

Jaime K. Scatena
Engenheiro, fotógrafo, especial para o Blog PANROTAS Em Viagem

Originalmente publicado no Blog Panrotas em Viagem, em 04/07/2009:

http://blog.panrotas.com.br/panrotasemviagem/index.php/2009/07/04/por-que-a-a-gente-viaja-porque-tao-longe-aonde-quero-chegar/

%d blogueiros gostam disto: